INÍCIO
AIDS
- Aprendendo sobre AIDS
DST (Doenças Sexualmante Transmissíveis)
- Aprendendo sobre DST
APRENDENDO SOBRE AIDS

A história do Kleber e da Rosinha.

D. Maria criava sozinha seus cinco filhos e lutava muito. O marido saiu de casa quando nasceu o último filho para tentar a sorte na cidade grande e não deu mais notícias. Mas o que vamos contar aqui, aconteceu há mais ou menos uns três anos.

D. Maria andava muito preocupada com Kleber, seu filho mais velho. Há uns seis meses ela vinha querendo que ele fosse a um médico. Ela vinha achando ele mais magro, sem forças, esquisito. Um dia ela falou com ele.

- Eu não agüento mais Kleber. Só vejo você ficar magro, sem forças para trabalhar e agora está até com diarréia. Você tem que ir ao doutor, meu filho!

Kleber disse baixinho:

- Eu lá vou ao médico para ele dizer que eu tenho aids, mãe.

D. Maria tomou um susto.

- Credo meu filho, não fala nessa doença, não. O povo fala que é uma doença muito ruim. Você deve estar é com uma diarréia braba.

- Não mãe, eu acho é que estou com aids.

- Deus te perdoe meu filho por falar uma bobagem dessa. Nós nem sabemos direito como é essa doença.

 

O que é aids?

 

A aids é uma doença causada por um tipo de micróbio, um vírus, chamado HIV. Esse vírus vai tornando a pessoa fraca e assim ela pode pegar várias doenças.

 

O HIV é traiçoeiro. Ele ataca e vai destruindo os glóbulos brancos, que são as células que fazem a defesa do nosso corpo contra as doenças.

Quando esse vírus entra no corpo e começa a atacar os glóbulos brancos a pessoa pode não sentir nada.

A pessoa que tem o HIV no corpo, mas não sente nada, é chamada de portadora do HIV ou soropositiva para o HIV.

Quando a pessoa soropositiva para o HIV começa a pegar várias doenças, se diz, então, que ela tem aids.

Qualquer pessoa pode pegar o HIV: homem ou mulher; gente casada ou solteira; criança, moço ou velho; rico ou pobre. E tanto faz se é gente que mora na cidade ou no campo.

  Pense e Lembre

O portadores do HIV, no início da infecção, são pessoas que aparentam saúde, mas por estar infectados, podem passar o vírus para outras pessoas.

Kleber abraçou a mãe e os dois choraram. O coração deles estava apertado.

- Mãe, eu tenho dois amigos na capital que estão com aids. E eles começaram assim, com diarréia, cansaço e suadeira de noite.

D. Maria não entendia como diarréia e cansaço podiam ser aids.

- Mas você é forte, meu filho, nunca teve doença grave. Vamos falar com a D. Santa, ela receita umas ervas e você fica bom. Eu já te falei isso.

- Mãe, meus amigos disseram que eu tenho que fazer um exame para saber se estou com aids.

- Então, por que você não faz, filho? Mas que exame é esse filho?

 

Que exame se faz para saber se tem o vírus da aids?

 

Um exame de sangue, o teste anti-HIV.

 

 

Antes e depois do teste ant-HIV, a pessoa deve fazer um aconselhamento, isto é, conversar com um profissional de saúde que foi preparado para fazer esse trabalho.

Este profissional pode ser médico, enfermeiro, psicólogo, assistente social ou auxiliar de enfermagem.

O aconselhamento antes do teste ajuda a pessoa a tirar dúvidas sobre a transmissão e prevenção do HIV e de outras DST. Sendo assim, ajuda a pessoa avaliar se ela pode estar infectada pelo HIV ou por outro micróbio. E, também, explica sobre o teste anti-HIV.

Quando a pessoa, que decidiu fazer o teste anti-HIV, recebe o resultado, o profissional de saúde faz outro aconselhamento.

No caso de resultado positivo é oferecido apoio emocional e a pessoa é encaminhada para serviço especializado em atender portadores do HIV, para acompanhamento médico e psicológico.

No caso de resultado negativo, o profissional reforça a mensagem de prevenção e discute a necessidade de repetir o teste.

  Pense e Lembre

É muito importante fazer o aconselhamento para o teste anti-HIV.

O Kleber dizia que estava com aids, mas não fazia nada. Parou de trabalhar na loja do tio e só ficava deitado.

Então D. Maria resolveu falar com a Rosely, sua vizinha, uma agente comunitária de saúde.

- Rosely, estou com o Kleber doente e só você pode nos ajudar. O Kleber cismou que está com aids, mas não quer ir ao posto de saúde para se consultar. Ele não sai de casa, não diz ou não sabe como pegou essa doença. Eu estou muito preocupada com ele e com meus outros filhos também. Já pensou uma desgraça dessas lá em casa? Essa doença pega Rosely? Como é que essa doença entra no nosso corpo?

Rosely percebeu o medo e a aflição da D. Maria.

- Pode deixar D. Maria eu posso explicar para vocês. Vamos até sua casa?

 

Como podemos pegar o vírus da aids?

 

O HIV passa de uma pessoa infectada para outra através de quatro líquidos produzidos pelo nosso corpo.

 

 

Esses líquidos são:

- sangue;

- esperma (do homem);

- líquido da vagina (da mulher);

- leite de peito, da mãe infectada para seu bebê.

Existem várias situações que nos colocam em risco de adquirir o HIV, a principal delas é:

O vírus da aids se transmite, principalmente, através das relações sexuais, sem a proteção da camisinha.

Esta é a maneira mais comum de se pegar o HIV de uma pessoa infectada. Por isso a aids também é uma Doença Sexualmente Transmissível - DST.

  Pense e Lembre

Não tenha medo do doente de aids e sim de pegar o HIV.

Rosely procurou acalmar D. Maria e seus filhos:

- A gente não sabe o que o Kleber tem. Mas se ele, realmente, estiver com aids, vocês não precisam ter medo de ficar perto dele, porque a aids não se pega por dormir no mesmo quarto, por usar os mesmos pratos e talheres, por usar o mesmo banheiro, nem pelo abraço e aperto de mão. Ao contrário, se o Kleber estiver mesmo com aids, vai precisar muito do carinho e ajuda de todos vocês.

E procurou explicar para eles como se pode pegar o HIV:

- O HIV só passa de uma pessoa infectada para outra através do sangue, do esperma do homem, do líquido da vagina da mulher e do leite de peito da mãe infectada para seu bebê. Está entendido? Estão mais calmos agora?

D. Maria então falou:

- E como eu posso estar calma vendo meu Kleber desse jeito, Rosely? Eu não entendo como ele pode achar que está com essa doença. Fala com ele Rosely, convence ele ir a um médico!

De que outras maneiras podemos pegar o vírus da aids?

 

 

Quando se usa drogas injetáveis compartilhando agulhas e seringas.

 

Durante a transfusão de sangue. Por isso, todo sangue deve ser testado para saber se tem o HIV e outras doenças.

 

A mãe infectada com o HIV pode transmitir o vírus para seu bebê: na gravidez, no parto e na amamentação.

Outra forma das pessoas pegarem doenças, como o vírus das Hepatites B, C e o vírus da aids, é usando objetos que furam ou cortam, sem ser esterilizados.

Sendo assim, tatuadores, manicures, médicos, dentistas e todas as pessoas que trabalham com objetos que cortam ou furam, precisam esterilizar seus instrumentos.

  Pense e Lembre

Lute pelos seus direitos.
Exija sangue testado e denuncie para as autoridades de saúde quando souber de sangue que não é testado.

A Rosely foi então falar com o Kleber, que estava deitado.

- E aí Kleber, o que você tem rapaz?

- Não tenho nada não. Minha mãe é que fica inventando coisa.

- Vamos lá Kleber, confia em mim. Quero te ajudar. Você está abatido, pode estar com alguma doença. Sua mãe me disse que você falou para ela que acha que pegou o vírus da aids. Não adianta você ficar imaginando coisas, Kleber. Só fazendo exame de sangue é que você pode saber se está ou não, com o vírus da aids.

Mas o Kleber parecia não querer conversa. Virou a cara para a parede e ficou quieto.

A Rosely se preocupou com o estado dele e insistiu. 

- Vamos Kleber, conversa só um pouquinho comigo. Por que você não quer ir fazer o exame?

- Eu já disse que não quero ir ao posto daqui. Depois fica todo mundo sabendo que estou com essa doença. Eu estou com medo do que pode acontecer comigo.

- Mas você nem sabe se está com aids. Precisa fazer uns exames para saber logo o que você tem. Faça o exame aonde você preferir, mas não deixe de ir logo. Se você estiver mesmo com aids, você precisa se tratar. A aids não tem cura ainda, mas tem remédio para controlar a doença e você precisa ficar bem novamente. Vamos lá, rapaz, toma coragem e vai logo resolver isso.

 

Onde fazer o teste anti-HIV?

 

O teste anti-HIV pode ser feito em alguns hospitais e centros de saúde e nos Centros de Testagem e Aconselhamento - CTA.

 

Nos CTA, se não quisermos, não precisamos dizer o nome quando se vai fazer o teste anti-HIV. Recebemos um número e com este número se pega o resultado. Não precisa pagar. O teste é feito de graça.

Só os doadores de sangue e de órgãos são obrigados a fazer o teste anti-HIV.

Ninguém mais é obrigado a fazer esse teste.

O teste é recomendado para as gestantes, para quem tem DST e para quem acha que pode estar infectado pelo vírus da aids. Essas pessoas serão beneficiadas se fizerem logo o teste anti-HIV. Quando se descobre que tem o HIV e começa logo a fazer acompanhamento médico, se tem mais chance de controlar o vírus e viver melhor.

Se na cidade onde você mora não tem um local para fazer o teste, a enfermeira instrutora dos agentes comunitários de saúde ou qualquer outro profissional de saúde poderá indicar o local mais próximo.

  Pense e Lembre

A sua comunidade deve se organizar para garantir o direito de ter, o mais próximo possível, condições para fazer o teste anti-HIV.
Lute por isso.

A Rosely, afinal, convenceu o Kleber a ir procurar um médico. Ele decidiu fazer o teste em outra cidade e um amigo, o Dorci, foi com ele. Na viagem o Kleber falou bastante, ele estava muito nervoso.

- Sabe porque eu acho que estou com aids, Dorci? Eu vi meus amigos da capital. Dois deles começaram como eu e estão com aids. A gente se drogava todos juntos, se picava com a mesma agulha e seringa.

- Como você entrou nessa fria, cara? Não vê falando no rádio e na televisão que assim você pega aids?

- Mas isso é agora, Dorci, há uns cinco anos não se ouvia falar disso não. E também na hora do "barato" a gente nem pensa nisso. Eu não entendo como meus amigos já ficaram doentes há mais de ano e só agora eu estou me sentindo mal.

- Tudo bem, cara, o importante é que agora você está indo ao médico e ele vai poder te ajudar.

O Dorci estava muito preocupado com o abatimento do Kleber, porém com esperança. Ele tinha um outro amigo com aids que se tratou logo e agora estava bem.

 

O que o HIV pode fazer no corpo da gente?

 

O corpo de cada pessoa reage de seu jeito depois que é infectado pelo HIV.

 

 

Tem gente que, algumas semanas depois, fica com febre, vermelhidão no corpo. Pode ter dor na garganta, dor nas juntas; caroços no pescoço, debaixo do braço, na virilha. Mas isso tudo desaparece e a pessoa não sente mais nada.

E tem gente que ao ser infectado não apresenta nada disso.

A maior parte das pessoas, demora uns dez anos para começar a apresentar os primeiros sintomas da infecção pelo HIV. Quer dizer, essas pessoas ficam esse tempo todo sem sentir nada.

  Pense e Lembre

Desde o momento que uma pessoa é infectada pelo vírus da aids, ela passa o vírus para outras pessoas.

O Kleber continuava com medo do que os amigos e vizinhos iam fazer quando soubessem que ele tinha aids.

- Você lembra do filho da D. Efigênia, Dorci? Aquele que voltou do Rio de Janeiro muito doente? Quando os vizinhos souberam que era aids, não queriam nem chegar perto dele.

- Agora é diferente, cara. O caso do filho da D. Efigênia foi há uns três anos, as pessoas não sabiam nada sobre a doença e por causa disso tinham medo de quem estava doente. Agora é diferente, a maioria das pessoas já sabe que não se deve ter medo de quem está doente e sim de entrar numa situação em que possa pegar o vírus da aids.

- Sei não, cara. Espero que você esteja certo.

O Kleber fez o exame, recebeu um número e mandaram ele voltar dias depois, para pegar o resultado.

Foram dias difíceis, de muita ansiedade e medo.

 

O que acontece quando alguém tem o vírus da aids e não tem acompanhamento médico?

 

O HIV vai destruindo cada vez mais as defesas do corpo e quando a pessoa se dá conta, já esta com aids.

 

 

As pessoas que têm o HIV e não realizam o controle de sua infecção com um médico, para que seu tratamento seja iniciado no momento certo, podem apresentar sintomas que vão piorando, como:

-sapinho, irritações na pele, febre por vários dias, diarréia que não passa, falta de ar, suores noturnos, cobreiro e muitas outras queixas.

E, se continuarem sem tratamento, a destruição dos glóbulos brancos, as células de defesa do corpo, é muito grande. Então várias doenças aproveitam a oportunidade da fraqueza do corpo e atacam. São as chamadas doenças oportunistas. Quando a pessoa que tem o HIV começa a apresentar as doenças oportunistas, dizemos então que ela está com aids.

As doenças oportunistas mais comuns são:

- sapinho muito forte que não sara,

- tuberculose,

- pneumonia,

- toxoplasmose,

- um tipo de câncer de pele, chamado Sarcoma de Kaposi.

Qualquer pessoa pode ter essas doenças, mas para quem tem o HIV, elas se tornam doenças perigosas podendo causar a sua morte.

  Pense e Lembre

A pessoa que tem o HIV também tem que se prevenir   para não colocar mais vírus da aids no seu corpo.
Quanto mais vírus tiver no corpo, mais difícil será controlar a doença.

O resultado do teste anti-HIV do Kleber deu positivo.

O Kleber e D. Maria ficaram sem saber o que fazer. Mas o Dorci foi muito legal. Foi ele quem levou o Kleber ao médico.

O médico examinou o Kleber, procurando acalmá-lo, explicando para ele como seria seu tratamento.

- E agora doutor? Eu estou perdido. O que vai acontecer comigo?

- Não se desespere, vamos conversar. O que você está sentindo?

- Eu estou com diarréia, cansaço, suo muito de noite. O que o senhor vai fazer, doutor?

- De agora em diante você vai ser acompanhado aqui neste serviço de saúde. Eu vou orientar sua alimentação, vou receitar um tratamento para controlar o vírus no seu corpo e ver como você reage a ele. E estou aqui para lhe ajudar, tirar suas dúvidas e lhe tratar.

- Mas eu vou ficar bom? Vou poder trabalhar?

- Os remédios não curam, mas controlam a doença. Você vai melhorar bastante. Vai poder trabalhar e se distrair. Agora tem uma coisa importante. Você precisa avisar as pessoas com quem compartilhou agulhas e seringas e teve relações sexuais, para fazerem também o teste anti-HIV.

O médico conseguiu colocar no coração do Kleber um pouco de esperança. Não é fácil para uma pessoa, principalmente quando se é jovem, saber que tem uma doença tão grave. E o Kleber ficou pensando na Rosinha, sua namorada. A Rosinha só transava com ele.

Será que a Rosinha também pegou o vírus da aids?

Qual o tratamento para quem está infectado pelo HIV?

 

Vai depender de como cada pessoa reage à infecção. Só o médico pode indicar o que deve ser feito.

 

 

Quando uma pessoa tem o vírus da aids, não tem sintomas e seus outros exames estão com bons resultados, ela não precisa tomar remédios. Mas precisa de acompanhamento médico.

Quando a pessoa tem sintomas, isso indica que já está com aids. Então, o tratamento é feito com uma combinação de remédios, chamados anti-retrovirais.

Esses remédios não curam, mas diminuem a quantidade de HIV no corpo.

O tratamento deve ser feito em casa. A pessoa que tem o HIV não precisa ser internada para se tratar. O hospital só é indicado quando a pessoa precisa de tratamento especializado.

Faz parte do tratamento de quem tem o HIV ou já tem aids: comer alimentos variados, frescos e limpos; tomar sol de manhã, e se distrair. Os cuidados devem ser com o corpo e a mente. Os sentimentos podem ajudar a melhorar ou piorar a situação.

  Pense e Lembre

As pessoas com aids precisam de dois tipos de tratamento:
- o que é feito com remédios para cpnter a doença;
- o que é feito de carinho, amor e ajuda da família e dos amigos.

O médico receitou logo um tratamento para o Kleber. Ele melhorou um pouco e foi com sua mãe falar com a Rosinha.

Foi uma hora muito difícil. Era o Kleber e a Rosinha falando e chorando no quarto e D. Maria e a mãe da Rosinha falando e chorando na sala.

A Rosinha ficou muito assustada, mas no fundo achava que não estava infectada. Ela nunca tinha sentido nada.

Foi a Rosely quem a levou para conversar com a doutora no hospital. A doutora perguntou várias coisas para a Rosinha e, depois, enquanto examinava, continuou a conversar com ela.

- Rosinha, nas relações sexuais com o Kleber, vocês usavam camisinha?

- Não doutora, nós achamos que camisinha atrapalha.

- Atrapalha como? O que todos precisam pensar é que em tempos de aids as coisas mudaram. Quem quer ter relação sexual, tem que ter responsabilidade também. E, como vocês evitam gravidez?

- A gente fazia tabela, e dava uns jeitos, sabe como é.

- Olha, Rosinha, esses jeitos geralmente não resolvem. O fato é que seu namorado está com aids e por isso eu lhe aconselho a fazer o teste anti-HIV e também o exame para gravidez.

Quando chegaram os resultados foram dois choques. Rosinha tinha o vírus da aids e também estava grávida. Foi um Deus nos acuda.

Quem é mais atingido pela aids?

 

As pessoas que não têm informação sobre como se prevenir da doença;
e as pessoas que apesar de terem informação não fazem prevenção.

 

O número de casos de aids vem aumentando muito entre as mulheres, crianças e entre os jovens (rapazes e moças).
Em tempos de aids, as pessoas em suas relações sexuais precisam ter muita responsabilidade, para prevenir a si mesmo e as outras pessoas das DST e, principalmente, do HIV.

As pessoas que têm relações sexuais com várias pessoas diferentes e não usam camisinha, têm se infectado muito.

Corre risco também, quem usa drogas compartilhando agulhas e seringas.

Muitas mulheres são infectadas por seus companheiros que têm relações sexuais "fora de casa". E, como aumentou o número de mulheres infectadas, aumentou também o número de bebês infectados.

  Pense e Lembre

A aids ainda não tem cura.
A prevenção ao vírus da aids e a solidariedade com quem está doente, são as melhores armas na luta contra a doença.

A médica iniciou logo o tratamento da Rosinha.

- Rosinha, apesar de você não ter sintomas, como você tem o HIV e está grávida, você precisa iniciar um tratamento com um remédio chamado AZT. Esse remédio diminui muito o risco do seu bebê nascer infectado pelo HIV. De agora em diante você precisa fazer seu pré-natal bem direitinho, vindo a todas as consultas que eu marcar.

Quando o pai da Rosinha soube que ela estava grávida e com o HIV, ficou enlouquecido e expulsou a menina de casa.

Mas, graças a Deus a avó acolheu a Rosinha e a levou para sua casa.

- Você fica comigo, minha neta, desculpa o seu pai, ele está muito desesperado por saber que você está com essa doença e ainda grávida. Ele não faz isso por mal, homem é mais "cabeça dura" mesmo.

- Meu pai não vai me perdoar, vó. Ele diz que sou uma perdida, que vivo no pecado, que isso é castigo de Deus.

- Deus vai é nos ajudar, minha filha. Com o tempo isso passa. Vou cuidar de você. Já pari seis filhos e cuidei de sua mãe quando ela também estava grávida.

Os vizinhos e o pessoal da igreja da avó deram a maior ajuda.

Rosely acompanhou a Rosinha para ela não deixar de ir às consultas do pré-natal.

Kleber foi melhorando com o tratamento e depois de um tempo ficou bem e voltou a trabalhar.

 

Quais os cuidados que as gestantes devem ter?

Toda gestante deve fazer seu pré-natal, iniciando desde o começo da gravidez; E procurar aconselhamento para o teste anti-HIV.

 

 

Em tempos de aids, toda gestante deve ser aconselhada, no seu pré-natal, a fazer o teste anti-HIV. O aconselhamento a ajudará a decidir se quer fazer o teste e a resolver outras dúvidas e preocupações. O teste anti-HIV não é obrigatório, mas é muito importante.

A mãe que tem o HIV, pode passar o vírus para seu filho em três momentos:

- durante a gestação, porque o bebê recebe tudo da mãe, através da placenta;

- na hora do parto, porque o sangue e as secreções da mãe podem infectar o bebê;

- na amamentação, porque o leite de peito da mãe infectada também tem o HIV.

Se você está grávida e estiver infectada, será melhor para você saber o mais cedo possível que tem o vírus. Assim, você começará o tratamento com um remédio chamado AZT. O uso do AZT será iniciado no terceiro mês de gravidez, podendo controlar sua infecção e evitar que seu bebê seja infectado pelo HIV.

  Pense e Lembre

Gestante, se você quiser fazer o teste anti- HIV, ele é gratuito na rede pública de saúde. Procure fazer o exame antes do terceiro mês. Assim, você terá mais chance de evitar a transmissão do HIV para seu bebê.

A vida do Kleber e da Rosinha mudou em várias coisas. Eles passaram a ter que se preocupar com o horário dos remédios e da alimentação. Teve remédio que causou enjôo no início do tratamento. E, muitas vezes foi difícil conseguir os remédios.

Tiveram que se preocupar em ter uma comidinha gostosa com muitas frutas, verduras e legumes. Os amigos ajudaram lhes dando presentes como o filtro de barro, para garantir água limpa e fresquinha.

Eles também continuaram a ouvir som, ver televisão e passear na praça com os amigos. Mas ainda teve gente que evitou ficar perto deles. Essas pessoas não sabiam que, beijo e abraço, morar na mesma casa e trabalhar no mesmo lugar, não passa o HIV.

A Rosinha ia sempre na doutora fazer seu pré-natal e tomava o AZT certinho. Ela e o Kleber queriam muito que seu bebê nascesse sem o vírus da aids.

 

O que acontece com a gestante, infectada pelo HIV, que começa logo o tratamento?

Controla melhor sua infecção e tem mais chances de impedir a infecção no bebê.

A gestante infectada com o HIV, mesmo sem sintomas, deve tomar o AZT, pois esse remédio vai proteger o seu bebê, evitar que ele nasça com o HIV.

De cada 100 gestantes que tomam o AZT na gestação e durante o parto, mais de 90 têm chances de ter o bebê sem o HIV. O bebê também deve tomar o AZT durante as seis primeiras semanas de vida para aumentar sua proteção. Lembre-se que a mulher portadora do vírus da aids não pode amamentar seu bebê no peito.

No acompanhamento do desenvolvimento do bebê o médico deve pedir também testes anti-HIV. Só podemos saber se o bebê pegou o vírus da aids, depois que ele tiver 18 meses (1 ano e meio) de idade. Só depois desse período é que o resultado do teste anti-HIV do bebê é definitivo.

  Pense e Lembre

O governo distribui de graça o AZT para as gestantes que têm o HIV.

A Rosely aproveitou que os vizinhos do Kleber e da Rosinha ficaram preocupados, para fazer reuniões com eles.

As reuniões foram boas. As pessoas tinham muitas dúvidas e muitos medos, ainda tinha gente, por exemplo, não querendo sentar no lugar que o Kleber ou a Rosinha tinham sentado.

O uso da camisinha também deu muita discussão. Teve gente dizendo que atrapalha a relação sexual, outros que a religião não permite. Muita mulher casada disse que não tem coragem de pedir para o companheiro usar. Mas a Rosely insistiu na discussão, ela sabe que com o tempo e muita conversa, essa atitude presa a tabus e preconceitos pode mudar.

Finalmente chegou o tempo do bebê da Rosinha e do Kleber nascer. Ele nasceu bonitinho, gordinho, com boa saúde e muito esperto.

O tempo foi passando......

No seu trabalho a Rosely continua sempre dando informações sobre os cuidados em tempos de aids. Ela procura mostrar às pessoas que a melhor forma de enfrentar a doença é a prevenção, isto é, evitar as situações de risco.

A Rosinha e o Kleber tiveram uma grande alegria. O bebê fez 18 meses e seu teste anti-HIV deu negativo. Eles então tiveram a certeza de que ele não tinha o vírus da aids.

A família e os amigos comemoraram com eles. Foi uma festa!

Como a gente pode se proteger do HIV?

A melhor forma de proteção contra o HIV é a prevenção, que se faz evitando as situações de risco.

Para fazer prevenção precisamos de informações que vão evitar que a gente se coloque numa situação de risco. E para não correr riscos devemos ter os seguintes comportamentos:

- ter relações sexuais seguras, ou seja, usar sempre e corretamente a camisinha, em qualquer tipo de relação sexual;

- não compartilhar agulhas e seringas, se usar drogas injetáveis com outras pessoas;

- exigir sangue testado, se precisar de transfusão de sangue,

- procurar sempre um médico para tratar logo as Doenças Sexualmente Transmissíveis -DST. E se informar com ele para evitar pegar novamente essas doenças.

Apesar de não ter o mesmo peso, dos comportamentos acima, para a transmissão do HIV, é preciso ter cuidado procurando esterilizar agulhas e seringas, coisas que cortam ou furam que são usadas por várias pessoas.

  Recomendação importante:

As comunidades devem se organizar para saber:

- como se transmite o HIV e outras DST;

- como se prevenir do HIV e das outras DST;

- como conseguir serviços de saúde mais próximos;

- como garantir acompanhamento médico e remédios;

- como ajudar as pessoas que têm o HIV ou estão doentes de aids.

 

Bibliografia

 

Este livro foi feito com base no Manual do Agente Comunitário de Saúde : PREVENÇÃO E CONTROLE DAS DST/HIV NA COMUNIDADE.

 

 

ELABORAÇÃO:

Coordenação Nacional de DST e Aids através da Unidade de Assistência, com participação de :

CONSULTORES:

EDIÇÃO DO TEXTO:

PROJETO GRÁFICO:

COLABORADORES: